Dor na Coluna → Como Acabar com a Má Postura

Antes de focar na dor na coluna propriamente dita, é importante você saber que a coluna vertebral é a responsável pela sustentação do corpo e que permite todos os nossos movimentos.

Dores na coluna

Resumo: Dores na Coluna
Possibilidades: Movimentos repetitivos, má postura, doenças degenerativas
Sintomas:
  • Espasmos musculares
  • Ardência na parte alta da coluna
Tratamentos:
  • Anti-inflamatórios
  • Analgésicos
  • Exercícios Físicos
Locais afetados:
  • Coluna
  • Pescoço
  • Lombar

Segundo pesquisas, estima-se que a dor na coluna vai afetar quase que 80% da população mundial, em alguma fase de suas vidas.

É um tipo de dor que pode surgir em uma região específica da coluna ou irradiar para outros membros.

Vale lembrar que, como são muitos fatores envolvidos no aparecimento da dor, é fundamental uma investigação mais profunda e assim, descartar qualquer problema de saúde mais sério.

O ideal é buscar ajuda caso os sintomas se tornem mais intensos, a fim de evitar a limitação dos movimentos da pessoa.


O que pode ser

A coluna vertebral é uma estrutura complexa, composta por vértebras, ligamentos, músculos, mas também por discos intervertebrais que podem deslizar ou se deslocar.

E é exatamente por isso que são inúmeras as causas das dores na coluna, por exemplo, traumáticas, reumatológicas ou musculares.

É um tipo de dor que pode ser passageira ou crônica, podendo inclusive limitar os movimentos da pessoa.

O que pode estar causando essa dor?

  • Traumatismos: distensões musculares, fraturas ou contusões;
  • Excesso de esforço físico;
  • Má postura;
  • Quedas;
  • Sequela pós-trauma;
  • Doenças degenerativas;
  • Infecções por bactérias ou fungos;
  • Tumores benignos ou malignos.

Vale lembrar que o sobrepeso é um fator desencadeante para a dor, pois ao forçar mais a coluna, a pessoa pode acabar lesionando a vértebra.


Causas

Inúmeros fatores podem desencadear a dores na coluna, mas as principais são traumatismos, movimentos repetitivos e a artrose.

Entretanto, algumas doenças inflamatórias e infecciosas podem também acarretar a dor. Confira as principais causas:

  • Lombalgia: dor no final da coluna, que pode vir ou não acompanhada de dor nas pernas ou glúteos;
  • Inflamação do nervo ciático: pode irradiar dor para os glúteos, pernas, inclusive a pessoa tem dificuldade de manter a coluna ereta, abaixar e andar;
  • Movimentos repetitivos: alguns exercícios repetitivos podem causar inflamação nos músculos e ligamentos, o que causa dor;
  • Hérnia de disco: quando o disco intervertebral sai do lugar, há uma compressão dos nervos, causando dor na região da coluna lombar;
  • Má postura: a posição errada de sentar e andar pode provocar dor;
  • Osteoporose: atinge mais as mulheres e é caracterizada pela redução da massa óssea;
  • Cálculo renal: pode irradiar dor para a coluna;
  • Doenças degenerativas, por exemplo, a artrose.

Mais uma vez, apenas o especialista que pode avaliar os sintomas e dar um diagnóstico mais preciso.

A grande questão que envolve a dores na coluna é que, dependendo da dor, pode ser considerada incapacitante, impactando a qualidade de vida da pessoa.

Nos últimos anos, houve um aumento considerável de jovens com problemas de coluna e tudo por conta do uso do celular.

Em razão da postura errada, acabam forçando a coluna e, por consequência, levando a dor.


Sintomas dor na coluna cervical

A cervical é a parte inicial da coluna, tendo ligação direta com os ombros, a caixa torácica e a cabeça, onde a dor nesse local é uma das queixas mais frequentes nos consultórios médicos.

Isso pode ser explicado por que as vértebras cervicais são as mais vulneráveis da coluna vertebral.

Ela pode ter várias causas: artrose, torcicolo, entorse, traumatismos, movimentos repetitivos, má postura e até mesmo o estresse.

Os principais sintomas são:

  • Dificuldade de movimento do pescoço e ombros;
  • Espasmos musculares;
  • Sensação de peso;
  • Ardência na parte alta da coluna;
  • Formigamento nos ombros e braços;
  • Dor de cabeça.

A artrose é a principal causa da dor na cervical, onde a degeneração da cartilagem das articulações reduz a mobilidade e provoca dores que irradiam até os braços.


Dor na dorsal

As vértebras dorsais funcionam como um suporte da caixa torácica que envolve os órgãos vitais, como o coração e os pulmões.

Essa parte da coluna é menos móvel que a coluna cervical e lombar, o que pode desencadear dores ou sensação de travamento.

Veja as principais causas:

  • Reumatismos inflamatórios, por exemplo, artrite, artrose ou osteoporose;
  • Traumatismos, como uma queda ou um acidente;
  • Degeneração em razão do sedentarismo e envelhecimento;
  • Permanecer na mesma postura por um longo período.

Dor durante a gravidez

Durante a gravidez, sob os efeitos dos hormônios e pelo aumento de peso, é comum a mulher sentir dor na coluna.

Em geral, as dores são as lombares, sendo mais intensas quando há mudança de posição, por exemplo, da posição deitada para posição em pé.

Podem aparecer durante toda a gestação, mas pioram nos meses finais, pelo próprio aumento de peso.

A explicação é bem simples: com o aumento do volume do útero, o centro de gravidade do corpo se desloca para frente.

E para manter seu equilíbrio, a gestante tem uma tendência a se arquear, dando origem à dor.


Dor na coluna vertebral

A coluna vertebral é composta por um conjunto de vértebras e sua principal função é a sustentação do corpo, movimento dos membros, além de proteger vários órgãos.

A dor na coluna vertebral não representa uma doença em particular, mas um conjunto de sintomas que podem ter diversas causas, graves ou não.

Para determinar a causa na coluna, o médico leva em consideração vários critérios:

  • O local da dor;
  • Quando iniciou e sua evolução;
  • Se há ou não inflamação;
  • Antecedentes médicos.

Às vezes, o médico pode solicitar exames de imagem e radiografias para confirmar o diagnóstico e indicar o tratamento mais adequado.

E a partir do momento que ele identifica a causa, vai investigar se existem ou não fatores associados à dor.


Dor ao deitar

A dor lombar pode ser a causa da dor ao deitar, mas se faz você acordar durante a noite, pode ser um sinal de infecção, principalmente se vier acompanhada de febre.

Mas se essa dor permanecer por mais de uma semana e não melhorar, não demore para consultar um médico.

É importante também ver o estado do colchão e da maneira como a pessoa dorme, pois isso pode piorar o quadro.


Ao sentar

Geralmente, a dor ao sentar é devido a uma lombalgia, que é a dor na região lombar.

E na maior parte dos casos, é devido a uma má postura para se sentar, pois há uma alteração dos ângulos do quadril e da coluna.

Mas é válido investigar outras possíveis causas, como uma inflamação, infecção, hérnia de disco e artrose.


Ao espirrar

A maioria das dores na coluna tem origem muscular, sendo relacionada a algum mau jeito, postura incorreta ou sobrecarga de peso.

Dessa forma, ao espirrar, a pessoa realiza um esforço que pode cansar os músculos do tórax, acarretando a dor.

Mas é sempre aconselhável acompanhar de perto e observar a existência de outro sintoma.


Ao andar

Um dos principais fatores que causam dor ao andar é a má postura, ou seja, andar com a postura inclinada.

Mas existem formas de caminhar sem sobrecarregar a coluna. Veja algumas:

  • Contrair o abdômen para deixar a coluna reta;
  • Olhar para a frente e não para o chão;
  • Os braços devem ficar levemente dobrados e para baixo;
  • Os quadris devem acompanhar o movimento das pernas;
  • Os pés devem sempre estar apontados para frente.

O que fazer?

A primeira coisa é marcar uma consulta com um médico. Ele vai avaliar o tipo de dor, levando em conta:

  • Localização (lombar, cervical, dorsal, etc);
  • Características (mecânica, inflamatória, etc);
  • Os sintomas associados (rigidez, deformação, etc).

A partir do diagnóstico, o profissional vai orientar quanto ao tratamento, pois varia de caso a caso.

Tudo vai depender da origem da dor, a intensidade, a frequência. O médico também vai investigar se a dor está limitando os movimentos e como isso interfere no dia a dia do paciente.

Então, são uma série de fatores que podem estar relacionados à dor. E é muito importante descartar qualquer doença mais grave.

Muitas pessoas acabam negligenciando a dor, mas apesar de geralmente não ser algo mais grave, o melhor é se prevenir.

E uma outra questão importante é não esperar ao ponto de não conseguir andar para buscar ajuda.

O diagnóstico precoce é imprescindível, pois ao detectar a causa principal, não corre o risco de uma doença estar sendo mascarada.

Mas podendo evitar o aparecimento de lesões, melhor. Por isso, evitar carregar muito peso, ter cuidado com a postura e praticar exercícios físicos é o mais indicado.


Remédios

Normalmente, os medicamentos indicados são os anti-inflamatórios não-esteroides e relaxantes musculares.

Dependendo da intensidade da dor, o médico pode prescrever injeções ou a combinação de analgésicos e relaxantes musculares.

Lembrando que sempre com orientação médica, na dosagem certa e pelo período determinado e nunca fazer uso da automedicação.

Você pode experimentar um remédio natural, que é o chá de gengibre, pois possui propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e vasodilatadoras, ou até a compressa de gengibre.

No caso da compressa, basta ralar cerca de 3 cm de raiz de gengibre e aplicar na coluna, envolvendo com uma gaze, durante 20 minutos.


Dor seguida de outros sintomas

Dependendo da causa da dor, ela pode vir acompanhada de outros sintomas, como por exemplo:

  • Febre;
  • Cólica;
  • Diarreia;
  • Enjoo;
  • Tontura;
  • Calafrios;
  • Palpitação.

É fundamental que todos esses sintomas sejam avaliados pelo profissional de saúde, pois de repente a causa da dor pode não ser a coluna.

Por exemplo, a febre pode ser alguma infecção e uma palpitação, um problema cardíaco.

Nenhum sintoma pode ser desconsiderado. Saiba que cistos nos ovários, apendicite e alguns tipos de câncer podem originar a dor na coluna.


Fatores de risco

De fato, a dor na coluna pode atingir qualquer pessoa, independentemente da idade, sexo, mas alguns fatores aceleram o aparecimento, que são:

  • Sedentarismo;
  • Queda;
  • Gravidez;
  • Excesso de peso;
  • Idade;
  • Obesidade;
  • Cigarro;
  • Exercícios físicos incorretos ou em excesso;
  • Hereditariedade;
  • Doenças como artrite e câncer.

Vale ressaltar que, além desses fatores de risco, a ansiedade e o estresse são fatores que podem fazer surgir rapidamente uma dor na coluna.

Isso acontece porque a pessoa contrai os músculos mais facilmente, o que acarreta fortes dores.


Dor a mais de 1 semana

Apesar da dor na coluna ser algo normal, podendo ser causada por uma má postura, ficar na mesma posição por um longo período, movimentos bruscos, carregar peso, entre outros, é importante verificar a dor a mais de 1 semana.

Além disso, é preciso sempre estar atento se a dor vem acompanhada de alguns sintomas, como:

  • Febre;
  • Perda de peso;
  • Fraqueza muscular;
  • Formigamento;
  • Quedas ou batidas.

Caso a dor na coluna atinja idosos ou crianças, o cuidado deve ser redobrado, pois estes possuem uma saúde mais frágil.


Tratamento

O tratamento para dor na coluna vai depender do quadro do paciente e a causa específica da dor.

Na maior parte dos casos, a fisioterapia resolve, sem a necessidade do uso de medicamentos.

Mas em dores mais intensas, o médico normalmente faz a prescrição de anti-inflamatórios e analgésicos.

A acupuntura, quiropraxia, Pilates e Yoga também têm mostrado resultados satisfatórios, desde que feitos por profissionais habilitados.

Apesar de muitos médicos considerarem a cirurgia como última opção, às vezes, somente uma intervenção cirúrgica vai solucionar o problema.


Como aliviar a dor

Na verdade, o melhor é evitar a dor na coluna. Por isso que é importante praticar uma atividade física regularmente, como uma caminhada, natação ou ginástica.

Você também precisa ter cuidado ao levantar pesos, adotar uma alimentação equilibrada e tentar manter um peso corporal saudável.

Em relação aos exercícios físicos, priorize aqueles fortalecem os músculos e que possam ajudar a melhorar a postura.

Se você sofre com as dores na coluna, aplicar compressas quentes e fazer alongamentos aliviam bastante a dor.

As compressas no caso de dores mais intensas, é recomendado aplicar por 20 minutos, com intervalo de duas horas.

Já os alongamentos ajudam a prevenir lesões e amenizam a dor. Mas o recomendado é que você faça os movimentos sob supervisão, para não gerar novas lesões.

Outra maneira de amenizar as dores na coluna é tomar um banho quente e deixar a água cair no local da dor.

Se você puder associar essas medidas com a medicação prescrita pelo médico, vai agilizar todo o tratamento.


Como dormir melhor com dores na coluna

A forma como você dorme pode piorar a dor na coluna ou mesmo causar a dor.

Por isso que é muito importante se prestar atenção ao colchão. À medida que o tempo passa, o colchão vai perdendo a firmeza, o que causa dores.

Caso perceba que um lado está ficando mais baixo do que o outro, é o momento de trocar de colchão.

É importante escolher a densidade do colchão de acordo com o seu peso.

Há quem pense que dormir em colchões muito rígidos ou dormir no chão pode ajudar a dormir melhor, mas é um equívoco.

Uma outra forma que ameniza as dores na coluna é colocar um travesseiro entre as pernas e dormir sempre de lado.

O travesseiro também pode aumentar a dor na coluna, por isso que deve deixar o pescoço sempre em uma posição neutra, independente do seu tamanho ou densidade.

Write a Comment